Oscars | O ano da diversidade

fevereiro 02, 2017


O ano passado com a ausência total de negros entre os indicados ao Oscar, a polémica agitou Hollywood, foram muitas as criticas e acusações contra a Academia. Depois de 2 anos, com cerimónias #oscarsowhite, 2017 ficará para a história como o #oscarforall, o ano em que a snob e obsoleta Academia apostou na diversidade.

Mas será uma mudança de mentalidade ou apenas uma provocação à actualidade política americana? Na minha opinião um misto dos dois, a Academia precisava mostrar uma atitude menos conservadora e mais progressista na questão racial, mas também tem a necessidade de demarcar-se das atitudes racistas, xenófobas e  retrógradas de Trump.


Na categoria de Melhor Filme, dos 9 nomeados, 4 deles abordam questões raciais, como Moonlight (trailer, aqui), o grande favorito na minha opinião. Foi o grande vencedor do globo de ouro de Melhor Drama e está nomeado a 8 oscars, com um elenco totalmente negro que expõe a dura realidade da sua comunidade, abordando temas fortes como a homossexualidade ou segregação racial. O actor Mahershala Ali destaca-se por estar nomeado para Melhor Actor Secundário e também participar de um dos filmes nomeados, Hidden Figures, um ano em grande para o actor, que assumiu também o vilão Cornell Stokes, da série Luke Cage (Netflix). Indicada a Melhor Actriz, temos uma das grandes surpresas do ano, a britânica Naomie Harris.


Com 4 indicações, Fences (trailer, aqui) destaca-se pela sintonia perfeita do casal protagonista, Viola Davis e Denzel Washington, ambos nomeados e com grandes probabilidades de levarem a estatueta dourada para casa. À terceira será de vez, depois de 2 nomeações tenho a certeza que Davis receberá o Oscar de Melhor Actriz Secundária, fazendo-se justiça, depois de perder em 2009 para Penélope Cruz. Washington com a indicação de Melhor Actor, tornou-se o actor negro com mais nomeações da história, totalizando 7 indicações e 2 vitórias, em 1990 e 2002.


Octavia Spencer depois de vencer em 2012 pelo filme Help, consegue a sua segunda nomeação a Melhor Actriz Secundária, com a interpretação de uma matemática no filme Hidden Figures (trailer, aqui). Mais um filme sobre racismo e marginalização dos negros, uma história verídica que relata a superação e a emancipação de 3 mulheres negras na NASA, numa América segregada dos anos 60. Um filme que causa repulsa e revolta, por ver o tratamento dado a seres humanos, cujo o seu único diferencial é a cor da pele. Conta com 3 nomeações, incluindo o de Melhor Filme.


Loving (trailer, aqui) uma história de amor interracial e de luta pelo direito a vive-lo, foi um dos seleccionados do Festival de Cannes e conta com apenas uma nomeação, para Melhor Actriz. Foi uma surpresa, a nomeação de Ruth Negga, ainda lembro-me dela na série britânica teen Misfits (Channel 4) ou em Agents of S.H.I.E.L.D (ABC), é bom ver reconhecido o seu talento neste grande filme.


Com 6 nomeações ao Oscar, incluindo Melhor Filme,  Lion (trailer, aqui) narra a singular busca de um filho pelos pais biológicos recorrendo ao Google Earth. Entre as indicações temos o actor britânico Dev Patel (o eterno Anwar da série Skins) de origem indiana, nomeado a Melhor Actor Secundário e a veterana Nicole Kidman, de nacionalidade australiana, nomeada a Melhor Actriz Secundária.

Com este filme apercebemos o quanto a diversidade está presente este ano na cerimónia, não só na cor da pele, mas também nas nacionalidades, além dos referidos, temos britânicos (Andrew Garfield e Naomie Harris), canadianos (Ryan Gosling), franceses (Isabelle Huppert), israelitas (Natalie Portman) ou etíopes (Ruth Negga). Como Meryl Streep disse e muito bem no seu discurso épico nos Golden Globes, isto só espelha o quanto é importante a emigração para os EUA.


O que acham da diversidade nas nomeações aos Oscars? Acham um progresso ou um protesto da Academia?

Paulo Faria

You Might Also Like

4 comentários

  1. Concordo ou também poderá ter sido devido ao ano anterior devido há polémica que houve no ano passado, ainda tenho de ver alguns filmes que aqui mencionaste.
    http://retromaggie.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que importa é a aposta na diversidade racial, seja qual for o motivo :) Obrigado pela visita, Magda :)

      Eliminar
  2. Ser tanto um progresso como um protesto ao cenário político - ambos são benéficos pra nossa sociedade. Talvez uma coisa tenha puxado a outra, uma coisa contribuindo pra realização da outra. O que importa é que o mundo vai ver que ninguem está a favor do presidente e que as coisas estão finalmente mudando! Acho um grande avanço, aidna nao conhecia os indicados e já estou querendo assistir todos!
    dezoitoemponto.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo, a união faz a força contra um lunático. Obrigado pela visita, Samira :)

      Eliminar