Marvel | Doctor Strange

abril 05, 2017


Em Novembro de 2016 estreou o Doctor Strange (trailer, aqui) de Scott Derrickson (The Exorcism of Emily Rose), o mais recente filme da Marvel Studios. O neurocirurgião Stephen Strange (Benedict Cumberbatch), um homem individualista e egocêntrico, tem uma carreira profissional brilhante, mas tudo muda com um acidente de automóvel, perdendo a capacidade motora dos membros superiores. Sem esperanças na medicina e destruído profissionalmente, Strange recorre ao oculto e parte em busca de uma cura milagrosa em Katmandu. Um lugar místico entre realidades alternativas, onde Stephen renasce como Doctor Strange


Uma personagem criada pelo lendário e revolucionário Stan Lee em 1963, na revista Strange Tales (#110), Doctor Strange ou Doutor Estranho marcou o universo Marvel pela diferença e originalidade em relação a outros super-heróis. Inicialmente dividiu o protagonismo com o Human Torch (Fantastic Four), mas a sua genialidade e inteligência aliadas ao universo místico, catapultaram-no para o sucesso nos anos 70 e 80. Foi um dos fundadores do grupo The Defenders, com Hulk, Namor e Silver Surfer.


Benedict Cumberbatch (Sherlock) dá vida a um dos heróis mais enigmáticos e fascinantes da Marvel, encarnando-o na perfeição e adicionado doses de sarcasmo à personagem, imprimindo o seu cunho pessoal. Igualmente perfeita está a Tilda Swinton (The Chronicles of Narnia) com a sua Ancient One, a grande mentora de Strange, ambos arrasam em cena. O ponto fraco do elenco é o vilão Kaecilius, interpretado pelo aclamado Mads Mikkelsen (Hannibal), uma personagem vazia e pouco interessante, na minha opinião. Chiwetel Ejiofor, Rachel McAdams, Benedict Wong e Michael Stuhlbarg, são alguns dos nomes do elenco.


Um filme muito visual que prima pelos óptimos efeitos visuais, arrisco-me a dizer que são os melhores das produções Marvel, valendo uma nomeação ao Oscar. Com algumas semelhanças visualmente com o filme Inception de 2010, abusando do efeito caleidoscópio e do 3D. As cenas de acção esmeram-se e destacam-se pela positiva, tanto Cumberbatch como Swinton, mostram segurança no ecrã, algo que muitos fãs recearam aquando da escolha do elenco. O clima oriental, mágico e misterioso, complementam o filme.


A presença de Strange já foi confirmada em futuras produções da Marvel, como Thor: Ragnarok (2017) ou Avengers: Infinity War (2018), com a forte possibilidade de uma continuação da saga deste ícone da Banda Desenhada. Como curiosidade, não é a primeira vez que a personagem tem o seu próprio filme, Philip DeGuerre dirigiu Dr. Strange para a televisão em 1978, em que Peter Hooten encarnava o mítico super-herói.

Já viram o filme? Qual a vossa opinião?

Avaliação IMDb: 7.7
Avaliação do blog: 8

Paulo Faria

You Might Also Like

4 comentários

  1. Estava céptico aquando da visualização deste filme mas surpreendeu-me pela positiva. Visualmente está fenomenal e basta ter a Tilda no elenco para elevar a produção uns quantos pontos haha. Dei exactamente a mesma cotação :)

    Ricardo, The Ghostly Walker.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu como fã da personagem na BD, já esperava por um grande filme e com o Cumberbatch, só podia resultar em algo no mínimo bom. E sim, a Tilda Swinton é logo motivo para ver um filme :)

      Eliminar
  2. Adorei esse filme! Realmente é um novo anexo ao mundo Marvel. Gosto por introduzirem sempre personagens novos que quando se juntam ficam melhor ainda por suas peculiaridades. Ótimo post! Abs.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo, com o Doctor Strange a Marvel consegue inserir outras realidades, o que será muito benéfico para a produtora. Obrigado Camila :)

      Eliminar